Menu Principal

fecha o menu
Experiências exitosas de farmacêuticos no SUS

Notícias Gerais

Biológico aumenta déficit comercial

Data: 18/07/2016

Estudo produzido pelo Grupo FarmaBrasil (GFB), que reúne grandes farmacêuticas brasileiras com investimento em inovação, mostra que a importação de medicamentos biológicos cresceu mais de cinco vezes na última década, para quase US$ 2 bilhões. Em 2015, esses produtos responderam por pouco menos de um terço do déficit comercial do setor, de US$ 6,6 bilhões.

Até 2005, os biológicos respondiam por 12% do saldo negativo. No ano passado, tiveram participação de 28,6%, refletindo a expansão da compra de medicamentos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). "Como os biológicos são caros e importados, houve um aumento muito grande do déficit. E esse aumento é tendencial, não pontual", afirma o presidente do GFB, Reginaldo Arcuri.

A tendência é desenhada pelo rápido envelhecimento da população brasileira, com crescente participação de idosos sobre o total e maior proporção de doenças relacionadas à idade. Assim, gastos com vacinação e tratamento pediátrico devem ser relativamente menores, com aumento proporcional dos dispêndios com tratamento da população madura. "É justamente nessa faixa que atuam os biológicos", ressalta Arcuri.

Conforme o estudo, entre 2000 e 2005, o déficit comercial com biológicos foi de US$ 200 milhões por ano em média. De 2006 a 2010, saltou a US$ 800 milhões e, a partir de 2011, cresceu significativamente até atingir o pico de US$ 2,1 bilhão em 2014. No ano passado, caiu a US$ 1,9 bilhão, na esteira da desvalorização do real e da desaceleração da economia brasileira.

Para mitigar o aumento dos custos com saúde e, ao mesmo tempo ampliar o acesso a tratamentos médicos, o governo desenvolveu a política de Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDPs), para desenvolvimento e produção de medicamentos estratégicos ao SUS. Conforme o GFB, o Ministério da Saúde estima que projetos conduzidos por meio de PDPs devem gerar economia da ordem de R$ 5 bilhões ainda em 2016.

Por meio dessas parcerias, a indústria farmacêutica nacional vai começar a produzir biossimilares em maior escala no país. Como consequência, o déficit comercial deveria parar de crescer - com compras externas menores de medicamentos de alta complexidade - e as exportações de medicamentos aumentariam. Mas a crise política e trocas na equipe da Saúde estão atrasando, ou até mesmo paralisaram, alguns projetos.

Para a Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), que reúne os laboratórios multinacionais, o avanço do déficit da indústria é sinal de que o país está perdendo a corrida pela competitividade internacional no setor. "Sem inovação, estaremos condenados à dependência tecnológica e econômica", afirma em nota o presidente-executivo da entidade, Antônio Britto.

Os investimentos em biossimilares podem proporcionar redução temporária do saldo negativo, mas há risco de o lançamento de novos medicamentos tornar obsoletos esses produtos em uso. "Precisamos dizer que o Brasil se tornou inovador, responsável pela criação de tecnologias no setor farmacêutico que sejam atraentes mundo afora", diz o dirigente.

Fonte: Valor Econômico
Autor: Stella Fontes

Fotos Relacionadas

TV CFF















Newsletter

Cadastre-se em nossa newsletter para receber notícias direto no seu e-mail



Copyright © 2008 Conselho Federal de Farmácia - CFF. Todos os direitos reservados.

SHIS QI 15 Lote L - Lago Sul / Brasília - DF - Brasil - CEP: 71635-615

Localização

Fone: (61) 3878-8700