Menu Principal

fecha o menu
Experiências exitosas de farmacêuticos no SUS

Notícias Gerais

Suas buscas no Google podem ajudar a FDA a descobrir efeitos colaterais de remédios

Data: 16/07/2015

A Administração de Alimentos e Drogas dos EUA (FDA, na sigla em inglês) está discutindo com o Google como o motor de busca poderia ajudar a agência a identificar efeitos colaterais anteriormente desconhecidos dos medicamentos.

Funcionários da agência realizaram uma teleconferência em 9 de junho com um pesquisador sênior do Google que foi um dos autores de um artigo acadêmico publicado em 2013 sobre o uso de dados de consultas para identificar reações adversas a drogas, segundo um registro da reunião publicado no site da FDA que não tinha sido divulgado no passado. Pesquisadores da Microsoft também dizem que vêm trabalhando informalmente com a agência há vários anos para a detecção de efeitos colaterais de drogas.

O porta-voz da FDA Chris Kelly descreveu a reunião como uma apresentação e uma chance “para que a agência inicie uma discussão sobre como poderíamos colaborar com o Google na identificação de dados sobre ocorrências adversas empregando suas tecnologias e seus dados”. A agência não quis disponibilizar funcionários para entrevistas e Kelly não quis comentar sobre as reuniões da FDA com outras companhias. Um porta-voz da Google não fez comentários.

Especialista

O cientista do Google na teleconferência foi Evgeniy Gabrilovich. Sua biografia no site da Google sobre pesquisa diz que ele é um cientista sênior de pesquisa especializado na mineração de dados. Ex-funcionário da Yahoo, Gabrilovich foi um dos autores de um artigo acadêmico publicado dois anos atrás que empregou dados da Yahoo para identificar reações suspeitas a drogas.

A análise, com base em 176 milhões de consultas feitas no Yahoo em 2010, demonstrou que os dados das buscas podem ajudar a descobrir reações a drogas “que por enquanto não foram descobertas pelos mecanismos existentes”, segundo o artigo. O documento foi publicado na revista acadêmica Journal of Medical Internet Research e avaliado por colegas.

Antes que uma droga seja aprovada pela FDA, as únicas pessoas que a recebem são pacientes cuidadosamente seletos inscritos em testes clínicos – na maioria dos casos, uns poucos milhares de pessoas. Depois de chegarem ao mercado, os medicamentos podem chegar a centenas de milhares de pessoas. Algumas delas tomarão pílulas adicionais ou terão condições afetadas pela droga.

A evidência de efeitos colaterais negativos pode levar os órgãos reguladores a mudarem as advertências de segurança ou a prescrever práticas para uma droga. Em casos raros, preocupações com a segurança podem provocar a remoção completa de um medicamento do mercado, como aconteceu como o analgésico Vioxx.

Além da discussão com o Google, há sinais de que a FDA está expandindo sua busca de novas fontes de informação e métodos de monitorar a segurança das drogas no mercado. No mês passado, a agência anunciou uma colaboração com a PatientsLikeMe, uma rede on-line de pacientes. E no ano passado, um pesquisador da FDA foi um dos autores de um artigo acadêmico sobre a monitoração da segurança das drogas no Twitter.

O artigo acadêmico de Gabrilovich, o cientista do Google, analisou a forma em que as buscas para sintomas tão comuns como “câimbras”, “aumento de peso” ou “cansaço” diferiam entre as pessoas que também procuravam o nome de um remédio.

Embora fosse provável que sintomas sérios que apareciam pouco depois do início do tratamento fossem efeitos colaterais conhecidos e informados à FDA, os pesquisadores descobriram que os dados das buscas tinham muito mais chances de revelar reações que “aparecem muito depois do começo do tratamento, daí que sua associação à droga costume ser ignorada”.

Fonte: InfoMoney

Fotos Relacionadas

Vídeos















Newsletter

Cadastre-se em nossa newsletter para receber notícias direto no seu e-mail



Copyright © 2008 Conselho Federal de Farmácia - CFF. Todos os direitos reservados.

SHIS QI 15 Lote L - Lago Sul / Brasília - DF - Brasil - CEP: 71635-615

Localização

Fone: (61) 3878-8700