Menu Principal

fecha o menu
Experiências exitosas de farmacêuticos no SUS

Notícias Gerais

Inibidores: até 8 meses para voltar ao mercado

Data: 04/09/2014

Apesar da decisão do Senado de liberar a produção e a venda de inibidores de apetite, a volta de medicamentos à base de femproporex, mazindol e anfepramona às farmácias deve demorar ainda de seis a oito meses. Isso porque, após a promulgação do projeto pelo presidente do Congresso, Renan Calheiros, e a publicação no “Diário Oficial”, as indústrias farmacêuticas terão de pedir novos registros e a aprovação dos medicamentos à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Segundo a agência, os registros desses anfetamínicos estavam cancelados. O órgão informa ainda que deverá ser proposta uma nova resolução para que a venda da sibutramina continue com regras rígidas e para que os anfetamínicos só voltem ao mercado após apresentarem estudos de efetividade e segurança.
A proibição havia sido determinada pela própria Anvisa. Em uma nota técnica com 73 páginas, a agência argumentava que os remédios representavam riscos aos pacientes. Apenas a sibutramina continuou liberada, mas a resolução aumentou o controle sobre seu consumo. A liberação da venda desses remédios, efetivada pelo Congresso por meio de um decreto legislativo, divide a classe médica.

Embora muitos defendam que a decisão de recomendar os emagrecedores caiba aos especialistas, há quem não veja com bons olhos a interferência de senadores em um tema essencialmente técnico.

Representantes de entidades médicas participaram de audiências públicas e encontros com parlamentares antes da votação no Senado. A endocrinologista Maria Edna de Melo, da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), acompanhou a votação e disse que a liberação é uma vitória para o paciente: — O médico volta a ter mais ferramentas para tratar a obesidade. Os senadores escutaram os médicos. Quando foram autorizadas, estas substâncias não passaram por estudos clínicos rigorosos, não exigidos à época. Mas o prazo que esses medicamentos ficaram no mercado dá respaldo ao seu uso.

A SBEM, por meio de nota, também comentou a decisão. “No Brasil, 65 milhões de adultos estão acima do peso, e, dentre estes, 22 milhões são obesos.
Além de medidas de prevenção, é fundamental o tratamento”, diz um trecho.

MÉDICA CRÊ EM MAIS CONTROLE

A médica Maria Fernanda Barca, membro de uma sociedade de endocrinologia nos EUA, disse apoiar a liberação, até para que aumente o controle sobre o uso. — Tem gente que compra fórmulas no salão de cabeleireiro. Com a liberação, vai existir maior controle.

Adriana Lucia Mendes, endocrinologista da Faculdade de Medicina da Unesp em Botucatu (SP), também concorda com a liberação, mas questiona o papel do Senado no assunto e defende uma prescrição mais rigorosa.

— Qual o entendimento de saúde do Senado? Mas também é fato que a Anvisa resolveu proibir esses medicamentos sem ouvir as sociedades médicas.
Acredito que a venda precisa ser com normas rigorosas — afirmou.

Voz dissonante, Marcos Tambascia, professor de endocrinologia da Unicamp, mantém sua opinião: não prescreverá essa classe de medicamentos.

Ele foi favorável à proibição pela Anvisa: — Na maioria dos países, esses medicamentos não existem mais. Estudos já provaram que os riscos são maiores que os benefícios. Não se resolve a epidemia de obesidade com remédio, mas com mudança de alimentação e estilo de vida.

Fonte: O Globo

Fotos Relacionadas

Vídeos















Newsletter

Cadastre-se em nossa newsletter para receber notícias direto no seu e-mail



Copyright © 2008 Conselho Federal de Farmácia - CFF. Todos os direitos reservados.

SHIS QI 15 Lote L - Lago Sul / Brasília - DF - Brasil - CEP: 71635-615

Localização

Fone: (61) 3878-8700