Menu Principal

fecha o menu
Experiências exitosas de farmacêuticos no SUS

Notícias Gerais

Anti-HPV: reação pode ser efeito psicológico

Data: 31/03/2014

O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, disse ontem ao GLOBO que o Ministério da Saúde decidiu reter a parte do lote de vacinas anti-HPV que registrou reações adversas em cinco adolescentes de Porto Alegre na segunda-feira por precaução.

Barbosa afirmou que reações adversas são previstas e esperadas, mas estranhou a concentração do fenômeno: três das cinco meninas receberam a primeira dose na mesma escola, que o secretário não quis revelar.

— Como não há registro de sintomas adversos em outros locais, a hipótese de efeito coletivo psicológico fala muito alto — disse o secretário.

Barbosa contou que as vacinas anti-HPV têm três selos de qualidade: do laboratório fabricante, dos testes de laboratório que são realizados e da vigilância pósvenda, que acompanha a ocorrência de adventos incomuns após a aplicação.

As vacinas já foram substituídas e a campanha segue normalmente.

Segundo o secretário, as vacinas do mesmo lote que foram para outros estados não registraram nenhum problema:

— Cada lote chega a ter um milhão de vacinas, e estamos falando numa parte de 89 mil doses.

Nossa hipótese é de que possa ter havido o que se chama de efeito coletivo psicológico.

Isso já foi relatado em outros países onde a vacina foi aplicada e também com outros medicamentos preventivos, não só com a anti-HPV.

Barbosa considera pouco provável uma reação alérgica que, segundo ele, jamais foi descrita em outros locais do mundo:

— Nada impede que o Brasil seja o primeiro país a registrar esse efeito, mas é pouco provável que haja três pessoas alérgicas a esse tipo de elemento num universo relativamente pequeno de população.

Em todo caso, estamos investigando.

A crise convulsiva sofrida por uma adolescente em Veranópolis e sua relação com a vacina está sendo apurada pelo ministério:

— O que posso dizer é que existe um estudo internacional com 600 mil amostras que não percebeu diferenças percentuais de crises convulsivas entre populações vacinadas e não vacinadas.

Ou seja, teoricamente as crises são indiferentes à aplicação do medicamento.

Um parecer do próprio ministério, em 2011, não recomendava a inclusão da anti-HPV no calendário de vacinação, mas houve uma mudança de orientação determinada pelo custo.

— A situação se alterou muito de lá para cá.

O custo unitário de uma dose estava em US$ 150 logo que a vacina surgiu, por volta de 2007.

Em 2011, fizemos um estudo de custo-oportunidade, coordenado pela USP, e chegamos à conclusão de que poderíamos incluir no calendário a US$ 15 por dose.

Esse é o preço do contrato com a Merck, incluindo transferência de tecnologia.

São 15 milhões de doses em 2014.

É o menor preço do mundo e que vai decrescer à medida que o contrato avance.

Daqui a cinco anos, a dose estará custando no máximo US$ 9.

Fonte: O Globo
Autor: Flávia Ilha

Fotos Relacionadas

Vídeos















Newsletter

Cadastre-se em nossa newsletter para receber notícias direto no seu e-mail



Copyright © 2008 Conselho Federal de Farmácia - CFF. Todos os direitos reservados.

SHIS QI 15 Lote L - Lago Sul / Brasília - DF - Brasil - CEP: 71635-615

Localização

Fone: (61) 3878-8700