Menu Principal

fecha o menu
Experiências exitosas de farmacêuticos no SUS

Notícias Gerais

Ciência ainda depende dos animais

Data: 28/10/2013

No Finai da década de 1950, quando bebês começaram a nascer com malformações congênitas após as mães terem tomado talidomida para combater enjoos matinais, pesquisadores ficaram em choque. Como isso podia estar acontecendo se em camundongos o sedativo tinha se mostrado seguro? Tão seguro, pensavam, que poderia ser usado até por gestantes.

O caso poderia ser hoje uma excelente justificativa para grupos de direitos dos animais - que pregam que testes em cobaias são inúteis porque a reação das drogas no organismo delas é muito diferente do que no nosso não fosse um detalhe. A falha se tornou um dos marcos para aumentar o rigor dos estudos. Os cientistas voltaram aos testes com animais, desta vez com coelhos e macacos, e observaram neles a malformação.

A conclusão foi óbvia: o problema poderia ter sido evitado. Foi daí que surgiu o protocolo internacional, seguido por agências reguladoras dos Estados Unidos, Europa e Brasil, que prevê que antes de uma droga chegar a humanos, é preciso fazer testes, de segurança ; em pelo menos duás espécies, sendo uma de não roedores.

Essa história foi lembrada na semana passada por causa da invasão ao Instituto Royal, em São Roque SP, e do subsequente bombardeio que as pesquisas com uso de animais sofreram - que, por sua vez, levaram a uma manifestação em peso da comunidade científica.

Paixões e defesas de classe à parte, a mensagem é clara: em todo o mundo se buscam alternativas para substituir o uso de animais e alguns métodos já eliminaram sua necessidade em algumas etapas, mas ainda não é possível fazer o desenvolvimento completo de uma nova droga sem testá-la em bichos.

E isso em todo o planeta. Mesmo a Europa - que proibiu que cosmétíços sejam testados em bichos - usa por ano 12 milhões de animais em estudos farmacológicos, segundo o último relato no de estatísticas da União Európeia. Apenas chimpanzés são proibidos. Os EUA também estão encerrando estudos com os grandes primatas.

Entrave. Segundo especialistas, o maior entrave é não ser possível simular com precisão o complexo funcionamento do organismo. Mas alternativas em algumas etapas já conseguern, ao menos, reduzir o número de cobaias. Na Fiocruz, pesquisadores buscam saídas para testes de irritação ocular de colírios e pomadas oftalmológicas, No processo-padrão, os primeiros testes seriam em coelhos. Cientistas descobriram que, usando córneas de bois abatidos, é possível saber se o produto promove irritação severa ou corrosiva. "Se der positivo, descartamos o produto e os coelhos são poupados. Se der negativo, os estudos seguem ; e testamos em animal", diz o biólogo Octávio Presgrave.

Além de poupar os bichos, outras técnicas se mostraram até mais eficientes, como o modelo desenvolvido pelo biólogo brasileiro Aiysson Muotri, da Universidade da Califórnia, em São Diego. Ele estuda autismo e diz que, apesar dos anos de estudos em roedores, ainda não se chegou a um bom medicamento. Visto que não dá para realmente recriar o autismo nos animais.

Ele pegou células-tronco dos pacientes, transformou-as em neurônios e testou as drogas diretamente neles. "Nos pacientes, os neurônios fazem um número menor de sinapses que em pessoas normais. Os que de senvolvemos mostraram o mes mo problema." Parte das drogas que ele está testando para autismo está no mercado para outras doenças. Como já passaram porv testes de segurança, Muotri espera que se elas se mostrarem efetivas nos neurônios, talvez seja possível mudar no futuro os protocolos. "Passaríamos direto para os testes em humanos."

Fonte: O Estado de S.Paulo
Autor: Giovana Girardi

Fotos Relacionadas

TV CFF















Newsletter

Cadastre-se em nossa newsletter para receber notícias direto no seu e-mail



Copyright © 2008 Conselho Federal de Farmácia - CFF. Todos os direitos reservados.

SHIS QI 15 Lote L - Lago Sul / Brasília - DF - Brasil - CEP: 71635-615

Localização

Fone: (61) 3878-8700