Menu Principal

fecha o menu
Experiências exitosas de farmacêuticos no SUS

Notícias Gerais

Estudo indica que HIV ganha diversidade genética

Data: 23/10/2013

Ao analisar amostras sanguíneas de 51 crianças e adolescentes soropositivos da cidade de São Paulo, nascidos entre 1992 e 2009, pesquisadores da Universidade de SãoPaulo USPe da Universidade Federal de São Paulo Unifesp observaram uma variabilidade genética do vírus HIV maior que a apontada em estudos anteriores, feitos com adultos, segundo a agência Fapesp.

De acordo com os cientistas,os resultados da investigação,divulgados em artigo publicado na revista PLoS One, sugerem que o perfil da epidemia está mudando no Brasil, o que pode ter implicações tanto na produção de testes de diagnóstico como em pesquisas que visam ao desenvolvimento de vacinas.

“Existem dois tipos de vírus que causam a Aids, o HIV-1 e o HIV-2. O tipo 2 é praticamente restrito ao continente africano. Já ot ipo 1,que prevalece no resto do mundo, se divide em vários grupos, sendo os principais M,N, Oe P. O grupo Mé oque causa a grande epidemia que conhecemos, mas ele também se divide em diferentes subtipos. Há ainda as formas recombinantes do vírus, que é a mistura de dois subtipos”, explicou Esper Kallás, professor da disciplina de Imunologia Clínica e Alergia da Faculdade de Medicina da USP.

Segundo Kallás, estudos anteriores mostraram que o subtipo B é o mais prevalente no Brasil e em toda a América e Europa. Em um artigo publicado pelo grupo em 2011, também na revista PLoS One , foram analisadas 113 amostras de homens soropositivos com média deidade de 31 anos e a análise do DNA viral mostrou que mais de 80% dos pacientes estavam infectados com o subtipo B.

Já neste estudo recente feito com pacientes entre 4 e 20 anos acompanhados no Centro de Atendimento da Disciplina de Infectologia Pediátrica da Unifesp, coordenado pela professora Regina Succi, apenas 52,4% apresentaram o subtipo B.Quase 40% dos jovens estavam infectados com o subtipo BF1 mosaico – uma mistura genética dos subtipos B e F1. Outros 9,5% apresentaram o subtipo F1. Todos os casos eram de transmissão vertical do vírus, ou seja, a infecção ocorreu durante a gestação, parto ou amamentação.

“Como essas crianças, em geral, contraíram o vírus há menos tempo que os adultos, há cerca de 11 anos em média, nossa hipótese é de que os vírus circulantes no Brasil estão ganhando diversidade genética.

E essa é uma fotografia de uma transmissão que ocorreu há mais de uma década. Hoje a variabilidade pode estar ainda maior”, disse Kallás.

De acordo com Sabri Saeed Mohamed Ahmed Al Sanabani, pesquisador do Instituto de Medicina Tropical da USP e autor principal do artigo, trabalhos anteriores haviam indicado também uma alta prevalência do subtipoF1 no Brasil,que agora se torna cada vez mais raro.

“Pesquisas anteriores sequenciavam apenas um trecho do vírus, que poderia ser puro. Mas quando fazemos o sequenciamento completo do genoma viral podemos perceber altas taxas de recombinação com o subtipo B.

Essa é nossa realidade no Brasil.” Para Sanabani, é importante fazer esse tipo de monitoramento para entender como está ocorrendo a evolução do HIV. “A mudança no perfil da epidemia já foi constatada em outros países.

O subtipo B já foi o mais prevalente na África do Sul e hoje é o C, por exemplo.

Esse conhecimento é fundamental para a adequação dos testes de diagnóstico molecular da doença. Se o vírus está mudando, é preciso que os testes sejam capazes de detectar também essas misturas virais.

” O conhecimento sobre os subtipos prevalentes também é essencial para pesquisas que visam ao desenvolvimento de uma vacina contra Aids.

A má notícia,segundo Kallás, é que o aumento na variabilidade genética do HIV-1 deve dificultar ainda mais a criação de um imunizante eficaz.

Fonte: DCI

Fotos Relacionadas

Vídeos















Newsletter

Cadastre-se em nossa newsletter para receber notícias direto no seu e-mail



Copyright © 2008 Conselho Federal de Farmácia - CFF. Todos os direitos reservados.

SHIS QI 15 Lote L - Lago Sul / Brasília - DF - Brasil - CEP: 71635-615

Localização

Fone: (61) 3878-8700