Menu Principal

fecha o menu
Experiências exitosas de farmacêuticos no SUS

Notícias Gerais

Múltis investem em nutrição para a terceira idade

Data: 14/08/2013

Multinacionais apostam em um nicho de negócios que cresce com o envelhecimento da população, o de nutrição clínica. Este mercado, que engloba de suplementos orais a fórmulas especiais para pacientes com alergia alimentar e doenças metabólicas, tornou-se prioridade para a francesa Danone em 2013, acirrando a disputa com o laboratório americano Abbott, líder nas vendas desse tipo de produtos em farmácias, e com a suíça Nestlé, grande fornecedora de hospitais.

A Nestlé lançou em fevereiro no mercado brasileiro um suplemento em pó para músculos e ossos de pessoas com mais de 60 anos. Este grupo de consumidores, batizado de terceira idade, cresce e parte dele tem dinheiro para gastar com a saúde e bem-estar. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados no fim de 2012 mostram que a parcela de pessoas acima de 60 anos vem crescendo. Esta fatia, em relação à população total, passou de 9% para 12,1% entre 2001 e 2011, como mostrou reportagem publicada pelo Valor em novembro.

Políticas sociais e previdenciárias para idosos carentes, como pagamento de um salário mínimo, aumentaram o poder aquisitivo desse grupo. A fatia de idosos na base da pirâmide social, recebendo até meio salário mínimo, é de 18%, bem menor do que o percentual de jovens até 25 anos de idade, de 53%, segundo o IBGE.

Nesse cenário, de envelhecimento da população e aumento da renda, as empresas vislumbram vendas maiores. O setor de nutrição clínica fatura cerca de R$ 1 bilhão ao ano, segundo a Danone, e cresce ao ritmo de dois dígitos ao ano desde 2008, de acordo com a Abbott. Danone e Nestlé são mais voltadas a hospitais. A Abbott, por sua vez, lidera as vendas em produtos para o consumidor final. As multinacionais concorrem no Brasil com as regionais Prodiet, do Paraná, e Nuteral, do Ceará. Em julho, a Danone comprou a Nutrimed, que também atua no Nordeste (ver ao lado).

"A grande mudança é que este mercado era mais baseado em hospital. Hoje tem crescimento para o mercado do consumidor final, mais interessado em cuidar da saúde", diz Marcelo Borges, presidente da Danone Medical Nutrition. "A nutrição clínica especializada vai ser uma necessidade brutal para os próximos anos."

A estratégia da Danone é antecipar o uso da nutrição especializada para consumidores entre 40 e 50 anos - antes de o consumidor atingir a terceira idade. O investimento tem sido "relevante", e as vendas da categoria cresceram 120% ao ano nos últimos três anos, segundo a empresa.

As vendas dos produtos para pessoas com mais de 60 anos, insignificante para a Danone em 2010, devem alcançar 15% do faturamento da divisão de nutrição clínica em 2013 e 30% em 2015.

No Brasil, a Danone tem um portfólio de dezenas de produtos de nutrição clínica. Três produtos são voltados especificamente para idosos, dentre eles um composto para reconstituir a membrana neural e as sinapses (conexões entre as células do cérebro) em pacientes com doença de Alzheimer. A receita global da divisão de nutrição clínica da Danone cresceu 5,9% no ano passado, para € 1,29 bilhão - equivalente a 6% das vendas totais da companhia, de € 20,87 bilhões.

"A atenção à nutrição básica, a preocupação com a saúde preventiva, o envelhecimento da população e [o aumento da] a qualidade de vida sinalizam tendência de que os produtos nutricionais serão consumidos de forma mais extensiva", diz Ana Paula Celes, diretora-executiva da Prodiet.

Os produtos para o consumo representam dois terços da divisão de nutrição clínica da Abbott, cuja operação principal no país é a nutrição diabética. No mundo, essa divisão da Abbott faturou US$ 6,5 bilhões em 2012. Segundo a empresa, o Brasil deve passar da 8ª posição no ranking de países com o maior aumento da população de terceira idade em 2012 para a 6ª posição em 2025, e "portanto, considerando a perspectiva de negócio, é impossível ignorar este importante grupo consumidor".

A Danone Medical Nutrition entrou no Brasil em 1996, quando comprou a Support Produtos Nutricionais. Em 2007, comprou a Nutrisse e a Nestlé, o braço de nutrição clínica da Novartis. A Abbott opera neste segmento no país desde 1986.

Fonte: Valor Econômico
Autor: Letícia Casado

Fotos Relacionadas

Vídeos















Newsletter

Cadastre-se em nossa newsletter para receber notícias direto no seu e-mail



Copyright © 2008 Conselho Federal de Farmácia - CFF. Todos os direitos reservados.

SHIS QI 15 Lote L - Lago Sul / Brasília - DF - Brasil - CEP: 71635-615

Localização

Fone: (61) 3878-8700