Menu Principal

fecha o menu
Experiências exitosas de farmacêuticos no SUS

Notícias Gerais

Coleta de cordão umbilical cresce mais de 1/4 em quatro meses

Data: 07/08/2013

A armazenagem das células-tronco do tecido é um procedimento simples e seguro.

O material costuma ser dispensado após o parto.

Desde que foi lançado, o serviço de coleta e armazenamento de células-tronco mesenquimais do cordão umbilical em São Paulo registrou um crescimento de 27% na demanda.

Os dados são da StemCorp, empresa criada em fevereiro deste ano e que tem, como consultora científica, a geneticista Mayana Zatz.

O StemCorp, segundo informa a própria empresa, é dirigido pelos autores do estudo que revolucionou o critério de armazenagem de células tronco no momento do parto em todo o mundo.

A alternativa de armazenar células tronco contidas no tecido do cordão umbilical e não as do sangue, como se fazia até bem pouco tempo, surgiu graças a um alerta de três pesquisadores brasileiros, orientados pela geneticista Mayana Zatz.

Há pouco mais de 2 anos, eles descobriram que as as células tronco mesenquimais, presentes no tecido do cordão umbilical, são mais versáteis e teriam potencial muito maior de aplicação terapêutica do que as células do sangue do cordão umbilical.

Depois de publicada a tese de doutoramento dos três alunos da USP, bancos de coleta do mundo todo mudaram procedimentos e passaram a armazenar células do tecido e não mais do sangue.

A descoberta científica de Eder Zucconi, Mariane Secco e Natássia Vieira foi citada mais de 100 vezes em outros trabalhos acadêmicos.

No Brasil, logo depois de concluir o estudo, os três jovens lançaram um alerta para a comunidade científica sobre o equívoco que havia ao descartar o tecido do cordão umbilical.

Recentemente, a Anvisa também soltou uma cartilha ressaltando como são raros os casos em que as células do sangue vão servir para o tratamento de doenças.

Das mais de 45 mil unidades de células-tronco extraídas do sangue do cordão e armazenadas em bancos privados do País, apenas 3 foram usadas pelas próprias pessoas para transplante.

“Graças aos 10 anos de pesquisa com células-tronco, a comunidade médica vem recomendando às pacientes grávidas o armazenamento das células-tronco do tecido do cordão, por isso a demanda tem sido crescente”, explica Eder Zucconi, diretor científico da StemCorp.

Em um laboratório projetado parao cultivo e expansão de células tronco mesenquimais, o StemCorp é hoje a primeira empresa brasileira capaz não só de armazenar mas também crescer e multiplicar células-tronco mesenquimais provenientes de diferentes fontes sem o uso de produtos animais.

Embora ainda não existam tratamentos aprovados com o uso de células-tronco, a expectativa da comunidade científica mundial é de que isso não vai demorar.

Diversos centros de pesquisa em todo o mundo estão investigando possíveis aplicações para o tratamento de inúmeras doenças, tais como diabetes, cirrose, infarto do miocárdio, artrite, lúpus, entre outras.

No Brasil,Mayana Zatz segue estudando o uso terapêutico nas distrofias musculares e os diretores do StemCorp ainda estão envolvidos em pesquisas relacionadas a doenças envolvendo lesões de cartilagem e úlceras, as chamadas feridas que nunca cicatrizam.

A coleta das células tronco do tecido do cordão é um procedimento simples e seguro.

O material normalmente é descartado após o nascimento.

Depois de coletadas, as células são armazenadas e ficam à disposição para serem expandidas e usadas.

Fonte: DCI

Fotos Relacionadas

Vídeos















Newsletter

Cadastre-se em nossa newsletter para receber notícias direto no seu e-mail



Copyright © 2008 Conselho Federal de Farmácia - CFF. Todos os direitos reservados.

SHIS QI 15 Lote L - Lago Sul / Brasília - DF - Brasil - CEP: 71635-615

Localização

Fone: (61) 3878-8700